EDIÇÕES 2022INFORMAÇÃO GERALCONTEÚDO PROGRAMÁTICOTESTEMUNHOS


8ª Edição – Coimbra

09 de Abril*
23 de Abril
07 de Maio
21 de Maio*
25 de Junho

*Hotel Garça Real, Montemor-o-Velho0h00 às 13h00 e
das 14h30 às 18h30

9ª Edição – Porto

08 de Outubro*
22 de Outubro
05 de Novembro
19 de Novembro*
17 de Dezembro

*Pousada da Juventude, Porto




Destinatários

Psicólogos;
Outros profissionais de saúde;
Estudantes das áreas acima referidas.

Duração

5 encontros com um total de 35 horas:

  • 3 encontros teóricos – online;
  • 2 encontros práticos – presenciais.

Formadoras:

Objetivos:

  • Conhecer os modelos e princípios de intervenção em psicoterapia corporal;
  • Desenvolver competências de intervenção a partir de ferramentas da psicoterapia corporal;
  • Adquirir conhecimentos de anatomia e fisiologia na perspetiva emocional;
  • Conhecer o código ético em Psicoterapia Corporal.



Sessão 1 - Presencial, com Conceição Marques-Silva

  • Apresentação;
  • Princípios e modelos da psicoterapia Corporal;
  • História – De Reich a Gerda Boyesen;
  • Freud, o inconsciente e o estudo da dinâmica psíquica;
  • Neurociências e o Psicoperistaltismo de Gerda Boyesen.

Sessão 2 - via Zoom, com Filipa Coutinho

  • Anatomia e Fisiologia na perspetiva emocional;
  • Experiência somática, consciência corporal e respiração;
  • Introdução ao Toque – Ritmos e presença terapêutica.

Sessão 3 - via Zoom, com Conceição Marques-Silva

  • Neurociências, a teoria biodinâmica e a autorregulação: integração de conceitos teóricos e da experiência prática.
  • A consciência Corporal e as alterações somáticas;
  • Código ético da Associação Europeia de Psicoterapia Corporal.

Sessão 4 - Presencial, com Conceição Marques-Silva e Filipa Coutinho

  • De Reich a Gerda Boyesen: vivenciar a teoria;
  • Biodinâmica: O estar terapêutico, toque e limites;
  • Desenvolvimento de recursos: centramento, grounding, limites;
  • Observação clínica do corpo emocional;
  • Exercícios corporais mobilizadores e integradores;
  • Respiração e movimento como ferramentas de acesso ao inconsciente.

Sessão 5 - via Zoom, com Conceição Marques-Silva

  • Aplicação/integração de conhecimentos e competências;
  • Apresentação pelos formandos da proposta de artigo;
  • Avaliação e fecho.


Pela voz e pelo “sentir” de quem frequentou os nossos Cursos de Introdução à Psicoterapia Corporal Biodinâmica.

Ângela Lucas, enfermeira e terapeuta transpessoal

«Esta formação fez-me sentido porque faz a ligação entre a mente, o espírito, a alma e o corpo, o que nos leva a tomar consciência da íntima relação entre mente e corpo, sendo este último mais do que um veículo. Na prática de enfermagem, uma das minhas profissões, o que mais mudou foi a minha forma de estar com os pacientes, nomeadamente a forma como os vejo. Mudanças pequenas como “conversar com o paciente antes de começar a colocar o garrote para tirar análises” ou “pedir autorização para levantar o lençol” refletem-se de forma positiva na postura corporal deles, tornando-a menos rígida e facilitando o processo de comunicação entre enfermeira e paciente.»

Telma Martins, psicóloga

«Já conhecia a Psicoterapia Corporal por experiência pessoal quando vim fazer a 1ª edição do curso. Vim para vivenciar e depois frequentei novamente o curso na sua 2ª edição para aprofundar conhecimentos e vivências de modo a poder levá-los para a prática clínica. Foi uma experiência muito rica a nível pessoal e profissional pois notei diferença na forma como trabalho.»

Dina Branco, psicóloga

«Esta formação fez-me sentido porque faz a ligação entre a mente, o espírito, a alma e o corpo, o que nos leva a tomar consciência da íntima relação entre mente e corpo, sendo este último mais do que um veículo. Na prática de enfermagem, uma das minhas profissões, o que mais mudou foi a minha forma de estar com os pacientes, nomeadamente a forma como os vejo. Mudanças pequenas como “conversar com o paciente antes de começar a colocar o garrote para tirar análises” ou “pedir autorização para levantar o lençol” refletem-se de forma positiva na postura corporal deles, tornando-a menos rígida e facilitando o processo de comunicação entre enfermeira e paciente.»

Diana Ferreira, enfermeira

«Tem sido um caminho de autodescoberta, transformação. O curso foi muito vivencial e foi precisamente o contacto com a vivência que me fez procurar este tipo de respostas, pois sinto que ao ajudar-me a mim própria, estou a ajudar os meus clientes também. Sinto-me a desabrochar, no dia-a-dia aplico algumas ferramentas e técnicas nos meus clientes mas só depois de as vivenciar e de as mesmas serem confortáveis para mim.»

 

Patrícia Ferreira dos Santos, psicóloga

«Procurei o Instituto Português de Psicoterapia Corporal (IPPC) para aprender novas ferramentas que me pudessem ajudar como profissional, para poder chegar ao outro de forma mais profunda. Encontrei tudo isso mas não só. Todos os encontros têm sido transformadores… Estou cada vez mais em contacto comigo, mais consciente, mais assertiva, mais segura… Estou extremamente grata ao IPPC e ao grupo por esta caminhada.»

Rita Silva, psicóloga

«Este curso permitiu-me sair da minha zona de conforto enquanto pessoa e profissional. Aprendi a respeitar o meu tempo e os meus limites, o que fez com que respeitasse e compreendesse melhor o tempo e os limites dos meus clientes. A minha forma de trabalhar mudou, sinto-me uma pessoa mais tranquila e isso transparece para as pessoas que acompanho todos os dias em consulta. No dia-a-dia é possível aplicar as ferramentas que vivenciamos ao longo do curso mas só aplicando e sentindo em nós podemos sentir confiança para aplicar aos outros. Por exemplo, depois de vivenciar a “técnica do rolo” 3 vezes em mim, consegui aplicar em consulta, foi muito eficaz, auxiliou no desbloqueio de uma memória de infância.»

Carla Martins, psicóloga

«Hoje, olhando para trás, reconheço que vinha a medo porque não sabia bem o que esperar do curso nem o que me esperava, era tudo novo. Ao início senti que foi estranho pois tive de sair do “casulo”, da minha zona de conforto e admitir que o que estava a sentir não era confortável. No final o balanço foi positivo, fez-me sentido e dei por mim a aconselhar esta vivência a outras colegas de profissão. Hoje, sinto que sou uma pessoa mais aberta a outras formas de estar e sentir, olho e sinto de outra forma para os problemas que me aparecem no dia-a-dia no consultório.»

Ângela Lucas
Bernardo, psicólogo

«Acho que as minhas expectativas foram correspondidas completamente. Já conhecia alguma da teoria que foi transmitida, mas aprendi muita coisa que desconhecia sobre psicoterapia corporal. A componente prática foi fantástica: é muito bom darem-nos a possibilidade de experimentar os exercícios e de os podermos aplicar a nós mesmos e aos colegas.
Acho que saio desta formação a dar muito mais importância à consciência que tenho do meu corpo, dentro e fora da clínica. Igualmente, adianto que comecei a utilizar nas minhas sessões com pacientes muitas das técnicas que nos foram ensinadas.»

Dina Branco
Dina Branco, psicóloga

«Já conhecia a Psicoterapia Corporal por experiência pessoal quando vim fazer a 1ª edição do curso. Vim para vivenciar e depois frequentei novamente o curso na sua 2ª edição para aprofundar conhecimentos e vivências de modo a poder levá-los para a prática clínica. Foi uma experiência muito rica a nível pessoal e profissional pois notei diferença na forma como trabalho.»

Patrícia Ferreira dos Santos
Patrícia Ferreira dos Santos, psicóloga

«Procurei o Instituto Português de Psicoterapia Corporal (IPPC) para aprender novas ferramentas que me pudessem ajudar como profissional, para poder chegar ao outro de forma mais profunda. Encontrei tudo isso mas não só. Todos os encontros têm sido transformadores… Estou cada vez mais em contacto comigo, mais consciente, mais assertiva, mais segura… Estou extremamente grata ao IPPC e ao grupo por esta caminhada.»

Diana Ferreira
Diana Ferreira, enfermeira

«Tem sido um caminho de autodescoberta, transformação. O curso foi muito vivencial e foi precisamente o contacto com a vivência que me fez procurar este tipo de respostas, pois sinto que ao ajudar-me a mim própria, estou a ajudar os meus clientes também. Sinto-me a desabrochar, no dia-a-dia aplico algumas ferramentas e técnicas nos meus clientes mas só depois de as vivenciar e de as mesmas serem confortáveis para mim.»

Ângela Lucas
Ângela Lucas, enfermeira e terapeuta transpessoal

«Esta formação fez-me sentido porque faz a ligação entre a mente, o espírito, a alma e o corpo, o que nos leva a tomar consciência da íntima relação entre mente e corpo, sendo este último mais do que um veículo. Na prática de enfermagem, uma das minhas profissões, o que mais mudou foi a minha forma de estar com os pacientes, nomeadamente a forma como os vejo. Mudanças pequenas como “conversar com o paciente antes de começar a colocar o garrote para tirar análises” ou “pedir autorização para levantar o lençol” refletem-se de forma positiva na postura corporal deles, tornando-a menos rígida e facilitando o processo de comunicação entre enfermeira e paciente.»

Telma Martins
Telma Martins, psicóloga

«Adorei o curso de Introdução à Psicoterapia Corporal Biodinâmica! Um dos aspetos positivos foi que a vivência surgiu primeiro do que a teoria o que permitiu uma maior compreensão e interiorização dos conteúdos. Valeu muito a pena e vai-me ser muito útil na minha prática profissional!»

Rita Silva
Rita Silva, psicóloga

«Este curso permitiu-me sair da minha zona de conforto enquanto pessoa e profissional. Aprendi a respeitar o meu tempo e os meus limites, o que fez com que respeitasse e compreendesse melhor o tempo e os limites dos meus clientes. A minha forma de trabalhar mudou, sinto-me uma pessoa mais tranquila e isso transparece para as pessoas que acompanho todos os dias em consulta. No dia-a-dia é possível aplicar as ferramentas que vivenciamos ao longo do curso mas só aplicando e sentindo em nós podemos sentir confiança para aplicar aos outros. Por exemplo, depois de vivenciar a “técnica do rolo” 3 vezes em mim, consegui aplicar em consulta, foi muito eficaz, auxiliou no desbloqueio de uma memória de infância.»

Carla Martins
Carla Martins, psicóloga

«Hoje, olhando para trás, reconheço que vinha a medo porque não sabia bem o que esperar do curso nem o que me esperava, era tudo novo. Ao início senti que foi estranho pois tive de sair do “casulo”, da minha zona de conforto e admitir que o que estava a sentir não era confortável. No final o balanço foi positivo, fez-me sentido e dei por mim a aconselhar esta vivência a outras colegas de profissão. Hoje, sinto que sou uma pessoa mais aberta a outras formas de estar e sentir, olho e sinto de outra forma para os problemas que me aparecem no dia-a-dia no consultório.»